Vá de UBER!

O processo de globalização vem promovendo em todo o mundo a massificação, a homogeneização e a padronização cultural. Ao retratar um mundo em que grandes contingentes de pessoas se transformam em robôs vivos de uma sociedade desumanizada, na qual todos se assemelham, os filmes de ficção científica cada vez mais ficam próximos da realidade. De certo modo, eles reproduzem um padrão de comportamento que está sendo imposto pela globalização.

Comunidade, sociedade, cidadania
  1. Comunidade
  2. Sociedade
  3. Cidadania
  4. Minorias

Diante desse panorama de grandes mudanças sociais – enquanto instituições tradicionais, até então inabaláveis, parecem cair em descrédito -, emerge uma sociedade complexa e diferenciada. Nela, diversos grupos sociais minoritários – as minorias étnicas, religiosas, sexuais, políticas e regionais – buscam seu espaço social e geográfico, sua identidade social e cultural. As minorias se organizam cada vez mais para defender seus interesses, ressaltando suas particularidades.

Ao afirmar sua própria identidade e à medida que reivindicam direitos e contestam normas sociais por se sentirem excluídos, os grupos minoritários se propõem a organizar movimentos sociais, políticos étnicos, raciais e sexuais, que vêm dando um novo sentido à noção de cidadania.

A exclusão social tende a dar origem a diferentes grupos de excluídos entre as minorias.

Essa situação de exclusão ou de discriminação tem levado as minorias organizadas a passar do discurso à ação política, reafirmando sua própria identidade e buscando seus direitos na sociedade democrática. Um exemplo disso é a luta dos homossexuais pela legalização do casamento entre pessoas do mesmo sexo; da mesma forma, os sem terra ocupam latifúndios improdutivos reivindicando reforma agrária; os sem teto invadem loteamentos ou áreas urbanas para obter uma habitação digna; grupos feministas exigem igualdade de condições de trabalho e salário em relação aos homens; povos indígenas reivindicam a demarcação de suas terras (leia o texto: “Os índios no Brasil“).

Pode a maioria ser minoria?

A situação de exclusão de muitas minorias geralmente se origina da avaliação negativa que os grupos dominantes da maioria fazem delas, da sua discriminação e segregação.

Pode acontecer também, e não é raro, de uma minoria ser formada pela maior parte da população. São as minorias majoritárias. Isso pode parecer contraditório, mas o fato é que as minorias majoritárias ocupam na estrutura de poder uma posição de subordinação diante de uma minoria autoritária e poderosa.

Os escravos de qualquer época e lugar são exemplos de minorias majoritárias diante de governos escravistas que formavam o grupo minoritário nesses sistemas. Outro exemplo é o apartheid da África do Sul, em que a maioria negra foi subjugada pela minoria branca.

Democracia representativa e democracia participativa

Em certos casos, a capacidade de mobilização política de algumas minorias tem levado os especialistas a ponderar sobre as noções de democracia representativa – que se baseia na maioria – em contraste com a nova noção de democracia participativa – na qual as minorias excluídas têm uma participação social e política mais efetiva na sociedade.

COMPARTILHE