Para que exista e possa se desenvolver, o conhecimento científico precisa de um método. Segundo a filósofa Marilena Chaui, utilizar um método é seguir um caminho de forma regular e ordenada, obedecendo a certas regras e procedimentos racionais para descobrir verdades desconhecidas, ou para demonstrar e provar verdades já conhecidas, ou parecidas. O texto a seguir trata do método utilizado pelas ciências para chegar à verdade.

Em seu sentido mais geral, método significa  a ordem que se deve imprimir aos diferentes processos necessários para atingir um objetivo ou um resultado desejado. Em ciência, método é o conjunto de processos que devem ser empregados na investigação e demonstração da verdade.

O método não é uma invenção arbitrária. Depende do objeto de pesquisa. Os sábios da Antiguidade tiveram o cuidado de anotar os passos percorridos e os meios que os levaram aos resultados descritivos. Outros, depois deles, analisaram tais processos e justificaram ou não sua eficácia. Assim, os processos empíricos transformaram-se gradativamente em métodos verdadeiramente científicos.

A época do empirismo passou. Hoje em dia não é mais possível improvisar quando se trata de entender e explicar um fenômeno ou um fato social. A atual fase é a da técnica, da precisão, da previsão, do planejamento. Ninguém pode se dar ao luxo de fazer tentativas ao acaso ver se colhe algum êxito inesperado.

Devem-se excluir das investigações o capricho e o acaso, adaptar o esforço às exigências do objeto a ser estudado, selecionar os meios e processos mais adequados. Tudo isso é dado pelo método. Assim, o bom método torna-se fator de segurança e economia.

Muitas vezes, um espírito medíocre guiado por um bom método faz mais progressos nas ciências do que outro mais brilhante que vai ao acaso.

Evidentemente, o método não substitui o talento e a inteligência do cientista. O método também tem os seus limites; não ensina a formular as grandes hipóteses, as ideias novas e fecundas, que dependem mais dos esforços de compreensão e reflexão do cientista e, em alguns casos, de sua genialidade.

A dúvida metódica

Existem autores que identificam a ciência com o método, entendido como um modo sistemática de explicar um grande número de ocorrências semelhantes.

O método científico quer descobrir a realidade dos fatos, e estes, ao serem descobertos, devem guiar o uso do método. Entretanto, como já foi dito, o método é apenas um meio de acesso: só a inteligência e a reflexão descobrem o que os fatos realmente são.

O método científico segue o caminho da dúvida sistemática, metódica, que não se confunde com a dúvida universal dos céticos. O cientista, sempre que lhe falta a evidência, precisa questionar e interrogar a realidade.

Etapas na aplicação do método

Toda investigação nasce de algum fato observado ou sentido. Entretanto, para que possa prosseguir é necessário que se faça uma seleção do material a ser tratado. Essa seleção requer alguma hipótese ou pressuposição que irá guiar e, ao mesmo tempo, delimitar o assunto a ser investigado.

Além disso, para se chegar ao conhecimento do fato investigado, é preciso cumprir certas etapas na aplicação do método científico, tais como: a observação e coleta de todos os dados possíveis; as hipóteses que procuram explicar provisoriamente todas as observações de maneira simples e operacional; a experimentação, que dá ao método científico também o nome de método experimental; a formulação da lei que fornece a explicação ou resultado de todo o trabalho de investigação; a teoria que insere o assunto tratado num contexto mais amplo.

O método científico utiliza ainda a análise e a síntese, além dos processos mentais de dedução e indução, comuns a todo tipo de investigação, quer experimental, quer racional.

Método e processo

É oportuno distinguir aqui método de processo. Por método entende-se o dispositivo ordenado, o procedimento sistemático, em plano geral. O processo, por sua vez, é a aplicação específica do plano metodológico e a forma especial de o executar; no processo usa-se a técnica específica para cada tipo de ação. 

O processo está subordinado ao método e lhe é auxiliar imprescindível.