Resumos de Livros

Jorge e Luísa formam um jovem casal pertencente à burguesia de Lisboa. Convivem com um círculo de amizades formado, entre outros, pelo Conselheiro Acácio, homem apegado a convenções sociais; Dona Felicidade, que nutre uma ardente paixão por ele; e Sebastião, o melhor amigo de Jorge.

Jorge parte para uma viagem de trabalho. Durante sua ausência, Luísa recebe a visita de um antigo namorado de juventude, seu primo Basílio, residente em Paris. Admirado com a beleza da moça, Basílio envolve Luísa em um jogo de sedução, que faz com que ela se imagine vivendo uma das aventuras amorosas de suas leituras românticas. Eles se tornam amantes, passando a trocar bilhetes e cartas de amor. Luísa encontra estímulo na amiga Leopoldina, mulher casada, colecionadora de casos extraconjugais. Toda a movimentação da casa é observada pela governanta Juliana, sempre às voltas com planos de enriquecimento rápido.

Para escapar das desconfianças dos vizinhos, o casal de amantes passa a se encontrar em um quarto alugado nos subúrbios de Lisboa. A despeito da decrepitude decadente do lugar, chamam-no de Paraíso. Ali, vivem tórridas cenas de amor. Com o tempo, Luísa percebe um esfriamento na paixão de Basílio, que passa a lhe tratar com certo desprezo.

Juliana se apodera de algumas cartas trocadas entre os amantes e passa a chantagear a patroa. Luísa expõe um plano de fuga a Basílio, mas este se recusa a segui-lo e retorna a Paris.

Jorge chega da viagem e Luísa continua a sofrer o assédio de Juliana, que exige uma grande quantia em dinheiro para devolver-lhe as cartas. Para conter seus ímpetos, Luísa se vê obrigada a conceder à empregada uma série de privilégios: presenteia-lhe com seus vestidos, deixa seu quarto mais confortável e chega até mesmo a substituí-la em alguns serviços domésticos, sempre às escondidas do marido.

Jorge se apercebe do que acredita ser desprezo de Juliana pelo trabalho e resolve demiti-la. Juliana exige o dinheiro da chantagem e Luísa apela então para Sebastião. Ele escuta toda a história do adultério e fica horrorizado, mas resolve ajudar a amiga. Vai até a casa de Jorge em um momento em que Juliana está só e, com ameaças de prisão, obtém as cartas. Vendo escapar-lhe o sonho de enriquecimento, Juliana tem uma síncope e morre. Sebastião entrega as cartas a Luísa.

Luísa adoece. Jorge apanha, em meio à correspondência, uma carta de Basílio. Imaginando que a causa da doença da esposa seja algum problema familiar de cujo conhecimento ela o poupa, Jorge abre a carta. Nela, Basílio relembra os bons momentos passados no Paraíso. Quando a esposa melhora, Jorge lhe mostra a carta de Basílio. Luísa sofre um choque e, alguns dias depois, morre.

Contexto

Sobre o autor

É quase inevitável a comparação de Eça de Queirós com o brasileiro Machado de Assis. Contemporâneos, ambos são considerados os maiores ficcionistas da língua portuguesa.

Eça atravessou três fases em sua carreira: a de influências românticas, na qual ainda busca a definição de um estilo; a realista-naturalista, na qual segue os princípios da escola em seus romances mais famosos (O Crime do Padre Amaro, O Primo BasílioOs Maias); e, por fim, a que denominou de realista fantasista, na qual se permite certos voos de imaginação (A Relíquia e A Ilustre Casa de Ramires)

Importância do livro

Escrito em um momento de consolidação da escola realista-naturalista em Portugal, O Primo Basílio se apresenta como uma verdadeira súmula de alguns dos recursos mais característicos do estilo: a crítica social, a exploração da sexualidade, a tendência à construção de personagens marcadas pela baixeza de caráter, a narrativa irônica, as referências pouco lisonjeiras à moral, aos costumes e à religião.

Período Histórico

Eça pertence à chamada geração de 70, constituída pelos escritores que combateram o romantismo e lutaram pela instauração das ideias realistas em Portugal, a partir de 1870, propondo uma literatura de crítica social e de denúncia do atraso lusitano.

Análise

O principal alvo de Eça de Queirós em O Primo Basílio é o romantismo. A protagonista Luísa é uma vítima do excesso de fantasias românticas, que acaba por distanciá-la da realidade. A consequência mais grave dessa alienação possui componente moral: Luísa se torna incapaz de discernir valores morais, confundindo amor com desejo, paixão com vulgaridade.

A obra evita sistematicamente o caminho fácil da idealização, expondo ácidas críticas à burguesia provinciana de Lisboa. Essas críticas são encarnadas nas personagens, que se tornam, desse modo, representações estereotipadas de comportamentos que a narrativa expõe ao ridículo. Em D. Felicidade, Eça descarrega sua crítica ao que chama de “beatice parva”: mulheres que manifestam uma religiosidade que estão longe de seguir ou exemplificar. A visão ácida é amplificada por uma nota naturalista: D. Felicidade sofre de gases.

A mediocridade, o conservadorismo e o amor às aparências do Conselheiro Acácio deram origem a um novo adjetivo na língua portuguesa: acaciano. O infeliz Jorge é ridicularizado sem piedade pelo narrador: a frieza que sempre manifestou é substituída, no final, pela pieguice do sofrimento provocado pela morte da esposa. A suscetibilidade de Luísa chega quase a destituí-la de humanidade, reduzindo-a à condição de fantoche manuseado pelas circunstâncias.

Juliana, cuja personalidade é sacudida por frustrações de caráter sexual, físico e social, canaliza seu ódio não para um projeto social transformador, mas para a compensação de seus recalques pessoais. Sebastião, exemplo de bom caráter, tem suas virtudes colocadas em destaque, por contraste com a lama generalizada.

O romance faz propaganda explícita das principais linhas de força do projeto realista-naturalista. O determinismo mesológico aparece na influência que o meio ambiente decadente e apático exerce sobre as personagens, tornando-as indolentes e favorecendo o domínio do apetite sexual. O final feliz romântico é substituído pelo triunfo da canalhice, na trajetória de Basílio, o vilão imune a qualquer punição. Por fim, a abordagem das relações entre patroa (Luísa) e empregada (Juliana) evita a glamourização e evidencia a desconsideração da primeira e a falta de escrúpulos da segunda.

Do Realismo, a romance apresenta a crítica ao atraso e ao provincianismo português. Do Naturalismo, a sexualização do enredo e a redução das personagens à condição animal, de cego domínio dos instintos. Eça de Queirós mostra no romance as qualidades de grande estilista que o acompanhariam até o fim da carreira: a linguagem irônica destila acidez na maneira de focalizar o atraso português, que ele demoraria a perdoar.

COMPARTILHE

Faça seu comentário