O sistema feudal ou feudalismo foi um sistema político, econômico e social que vigorou durante praticamente toda a Idade Média. Era baseado na descentralização do poder, na economia de subsistência, caracterizada pela agricultura, pelo comércio na base de trocas e pela mão de obra servil. Surgiu com a desintegração do Império Romano e a instalação dos povos bárbaros na Europa Ocidental. Com as invasões bárbaras houve um deslocamento das populações das cidades para o campo, onde buscavam proteção e segurança. Houve uma verdadeira ruralização da sociedade, castelos e vilas fortificadas foram construídos, os mais pobres buscando proteção e condições para sobreviver próximos aos mais ricos. Assim, criaram-se relações de dependência entre camponeses (servos) e senhores de terras (nobres), relações que intermediaram toda a vida social do feudalismo.

A Idade Média

O feudo

Era uma propriedade territorial, grande ou pequena, onde se produzia quase tudo que fosse necessário à sobrevivência de seus habitantes.

O dono de um feudo podia ser um rei, um nobre, um cavalheiro ou um membro do clero católico, podendo ter um ou vários feudos.

O feudo era herdado, conquistado em guerras ou ganho como recompensa (beneficium) por certos serviços prestados ou por certos deveres cumpridos.

As atividades econômicas principais nos feudos eram a agricultura e a criação de animais. A economia feudal era auto-suficiente e poucos produtos vinham de fora, como o ferro e o sal.

No feudo havia as terras de uso comum, utilizadas pelo senhor e pelos servos, as terras exclusivas do senhor feudal e as terras utilizadas pelos servos, de onde retiravam o seu sustento e os recursos para cumprir as suas obrigações servis.

O castelo era a moradia do senhor feudal e podia ser de madeira ou de pedra. Seu interior era frio e úmido, e a mobília, em geral, muito simples. Os homens ocupavam-se da administração do feudo e das guerras, e as mulheres cuidavam dos afazeres domésticos, fiavam e bordavam. As diversões de quem vivia num castelo feudal limitavam-se a torneios, às caçadas ou, quando apareciam saltimbancos e trovadores, ao teatro e à música.

Castelo de Chillon, em Veytaux, é uma construção amuralhada do século XIII.
Castelo de Chillon, em Veytaux, é uma construção amuralhada do século XIII.

A caça era uma atividade importante na vida dos senhores feudais. Proporcionava carne para alimentação e era um bom treino para as guerras. Era uma prática exclusiva dos “bem-nascidos”, os nobres.

A sociedade feudal

A sociedade feudal organizou-se com base na propriedade de terras e estava dividida em camadas distintas: nobreza, clero e camponeses.

A nobreza era composta por condes, duques, marqueses, em geral eram guerreiros que haviam conquistados muitos feudos em lutas ou como recompensa por serviços prestados a outros guerreiros mais ricos. Não se dedicavam ao trabalho produtivo.

O clero era composto pelo alto clero (bispo, arcebispo, abades, papas) e baixo clero (os padres em geral). Costumava receber dos reis e nobres muitas doações e procurou não dividir as terras como os nobres faziam, ao contrário, tratava de adquiri-las cada vez mais. Muitos dos camponeses do clero tornaram-se verdadeiros senhores feudais.

Os camponeses

Os camponeses dividiam-se em dois grupos: os servos da gleba e os vilões.

Os servos da gleba eram os trabalhadores do feudo, estavam presos à terra e não podiam ser vendidos separados dela. Tinham uma série de impostos e obrigações a cumprir: trabalhar na reserva do senhor alguns dias por semana (a corveia), pagar uma taxa para moer o grão no moinho do senhor (as banalidades), pagar ao senhor em especie (dinheiro) ou em produtos em certas épocas do ano. Tinham uma vida simples e muito sacrificada, quase que somente dedicada ao trabalho braçal sem, no entanto, receber um salário.

Os vilões eram mais privilegiados e mais livres do que os servos da gleba. Alguns chegavam mesmo a ser proprietários independentes e pagavam menos impostos aos senhores feudais. Dedicavam-se ao comércio ou ao artesanato. Habitavam vilas localizadas ao redor dos feudos.

A organização política

O poder político durante o feudalismo era descentralizado e organizou-se baseado em deveres e obrigações entre os senhores feudais. Cada senhor dependia da proteção e auxílio de outro senhor mais poderoso: um tornava-se vassalo do outro, que era o seu suserano. O rei, em geral um senhor feudal mais rico importante, era o “suserano dos suseranos”.

A relação de suserania e vassalagem obedecia a algumas formalidades, a saber:

  • A homenagem, que era uma declaração de fidelidade do vassalo ao suserano;
  • A investidura, transmissão do feudo ao vassalo pelo suserano, simbolizado por um ramo de árvore ou um punhado de terra.

Vassalo e suserano tinham deveres mútuos, sendo que o vassalo devia serviços ao suserano e este devia proteção ao vassalo.

Com o passar do tempo, as estruturas do sistema feudal transformaram-se e, a partir do século XI, novos modos de vida se manifestaram, menos vinculados ao campo, e com características mais urbanas e comerciais.

COMPARTILHE

Faça seu comentário