Os holandeses invadiram o Brasil por duas vezes e em lugares diferentes: em 1624, na Bahia, e, em 1630, em Pernambuco. Essas invasões tiveram, entre outras causas, o fato de os holandeses terem se libertado do domínio espanhol em 1581. Mas o que isso tem a ver com a história do Brasil-colônia? Explicando: após uma crise político-sucessória em Portugal pelo falecimento do rei D. Sebastião, que não tinha herdeiros, ocorreram algumas disputas para ver quem ia ocupar o trono português. Por fim, coube o rei da Espanha, Felipe II, ocupar a vaga, e ele se tornou, além de rei da Espanha, rei de Portugal e de suas colônias também. A dominação espanhola sobre Portugal e Brasil durou 60 anos, de 1580 a 1640. A Espanha, inconformada com a perda das Províncias Unidas (Holanda), decretou um bloqueio ao comércio holandês em todas as terras que pertencessem ao império espanhol. Esse fato ficou conhecido por embargo espanhol, que também prejudicou o comércio dos holandeses com o Brasil. Com uma reação a esse bloqueio, os holandeses resolveram invadir o Nordeste brasileiro e conquistar a produção açucareira da região.

Assim, em 1624 os holandeses ocuparam a Bahia, mas em pouco tempo (um ano) foram expulsos.

Em 1630, novamente os holandeses invadiram o Brasil, dessa vez em Pernambuco. E ali permaneceram por mais de vinte anos, até 1654, quando foram expulsos do território brasileiro definitivamente.

Sobre essa segunda invasão, vale destacar dois momentos: o governo de Maurício de Nassau e a Insurreição Pernambucana.

O conde João Maurício de Nassau governou o Brasil holandês em Pernambuco por cerca de sete anos (de 1637 a 1644). Entre suas realizações, merecem comentário: a concessão de créditos aos senhores de engenho, a tolerância religiosa, o beneficiamento da cidade Maurícia (hoje, um bairro da capital de Pernambuco, Recife), a promoção da vinda de artistas ao Brasil para retratar a nossa natureza. Porém, mesmo sendo um bom administrador, Nassau teve de abandonar o cargo, porque os dirigentes da Companhia de Comércio, que controlavam o Brasil holandês, acharam que ele estava investindo muito dinheiro na colônia e gerando poucos lucros.

Ilustração representando um engenho nordestino, obra de Frans Post, artista holandês que veio ao Brasil durante o governo de Maurício de Nassau.
Ilustração representando um engenho nordestino, obra de Frans Post, artista holandês que veio ao Brasil durante o governo de Maurício de Nassau.

Deu-se o nome de Insurreição Pernambucana ao conjunto de batalhas entre brasileiros e holandeses com a finalidade de expulsar esses últimos de nossa terra. E foi o que aconteceu em 1654, quando os holandeses foram derrotados nas Batalhas dos Guararapes.

A consequência das invasões holandesas no Brasil foi o início da decadência da produção açucareira brasileira devido à concorrência da produção do açúcar antilhano, que havia passado para o controle holandês. Enquanto estiverem no Brasil, os holandeses aprenderam muito sobre a produção do açúcar. O transporte, o refino e a distribuição eles já conheciam a muito tempo. Por isso, foi fácil para os holandeses dominarem o mercado consumidor na Europa. E a empresa açucareira nordestina começava a sua queda.

COMPARTILHE

Faça seu comentário