Foi a partir das expedições bandeirantes, em fins do século XVII, que Portugal conseguiu ter em mãos as tão sonhadas riquezas minerais. E foi principalmente em Minas Gerais que esse sonho de Portugal se concretizou.

O trabalho braçal da extração de ouro era realizado pelos escravos negros. Para controlar a região mineradora, Portugal criou em 1702 a Intendência das Minas. Esse órgão tinha funções variadas, pois policiava a região, julgava casos referentes à mineração e cobrava impostos. Para efetuar a cobrança de impostos, foram também criadas as Casas de Fundição, cuja principal finalidade era cobrar o quinto ouro. Nas Casas de Fundição, o ouro em pó era transformado em barras fundidas, e somente assim é que poderia ser comprado e vendido. E era desse ouro fundido que se tirava o imposto devido à Coroa portuguesa – era o quinto ouro.

A esplendorosa decoração da igreja de São Francisco de Assis, em Ouro Preto, obra de Aleijadinho, retrato da riqueza produzida pela mineração.
A esplendorosa decoração da igreja de São Francisco de Assis, em Ouro Preto, obra de Aleijadinho, retrato da riqueza produzida pela mineração.

O governo português também criou a Intendência dos Diamantes, em 1771, com a finalidade de controlar toda a exploração de diamantes da colônia.

Podemos concluir que a intenção de Portugal era retirar ao máximo todas as riquezas de nossa terra. E chegou a um momento em que as jazidas se esgotaram e as autoridades portuguesas, na ganância de continuar enriquecendo, criaram cada vez mais impostos sobre a colônia. Nessas condições, as dívidas acumulavam-se e Portugal criou a derrama, que era a cobrança dos impostos atrasados de uma vez.

Algumas consequências da mineração merecem destaque: a expansão do território brasileiro, o aumento da população, a mudança da capital da colônia, de Salvador para o Rio de Janeiro (porto marítimo mais próximo da região mineração), e a ocorrência de revoltas contra Portugal, já que nas regiões mineradoras surgiu uma classe social rica, formada por brasileiros conscientes de seus direitos.

COMPARTILHE