O planeta Terra poderia ser chamado de planeta água, pois 3/4 de sua superfície são compostos de massas líquidas (361.000.000 km²) e 1/4 de massas sólidas (149.000.000 km²).

Deriva dos continentes e eras geológicas

Observe o corte feito no esquema abaixo:

O centro da Terra.
O centro da Terra.

Podemos destacar três grandes camadas:

Crosta, litosfera ou SIAL – corresponde à camada superficial de materiais sólidos que estão sobre a camada inferior (SIMA) e onde o granito desponta como rocha predominante. Sua espessura é bastante variável, situando-se entre 10 e 300 km. É mas espessa sob os continentes e menos sob os animais e os seres humanos.

Manto, Magma ou SIMA – abaixo da crosta. As temperaturas são muito elevadas e, em razão disso, os materiais que o compõem estão em estado “pastoso”. O nome SIMA está relacionado aos materiais que o constituem em maior quantidade, silício e magnésio.

Núcleo ou NIFE – constitui o centro da Terra. É composto de materiais pesados e de alta densidade, como o ferro e o níquel. Pode-se dividi-lo em duas partes:

  • Núcleo externo: formado por níquel e ferro no estado líquido.
  • Núcleo interno: formado de níquel e ferro em estado sólido. Sua temperatura pode chegar a 6.000 ºC.

Teoria da deriva dos continentes

Entre muitas teorias formuladas por geólogos e cientistas, a mais provável, com provas bastante evidentes, é a Teoria da Deriva dos Continentes, formulada pelo astrônomo e cientista Alfred Lothar Wegener, em 1912. Essa teoria já não era baseada em simples observação do mapa-múndi, mas em constatações geológicas e físicas de caráter muito mais científico.

Teoria de Wegener

Possivelmente, desde que o homem conseguiu desenhar mapas da Terra representando os continentes com alguma precisão, ele percebeu, surpreso, que o encontro deles é, de certa forma, complementar um ao outro, isto é, encaixam-se como as peças de um quebra-cabeça. Você mesmo já deve ter percebido, ao observar um mapa-múndi, como o continente africano, por exemplo, se encaixaria perfeitamente na América do Sul, ou como a Península Arábica parece ter-se destacado do continente africano, abrindo a brecha do Mar Vermelho.

Wegener concluiu, pois, que os continentes flutuavam sobre um magma semifluido, pesado, como se fossem icebergs.

As evidências levaram-no a admitir a existência inicial de um único e enorme super continente – ao qual deu o nome de Pangeia (que significa “Terra Total”) – deslocando-se e fragmentando-se continuamente, desde a Era Mesozoica, no período Jurássico, aproximadamente há 225 milhões de anos, como se fosse uma espécie de nata flutuando sobre um magma semilíquido e passeando em diferentes direções, como se fossem grandes barcos à deriva.

Neste período, essa única massa “Pangeia” começou a se deslocar parte para o norte e parte para o sul, formando dois grandes blocos, abrindo aí uma fenda nas águas do mar de Tétis.

O hemisfério norte ficou definido como o continente da Laurásia (formado pela Eurásia e América do Norte) e o hemisfério sul ficou definido como Gonduana (formado pela América do Sul, África, Antártida, Austrália e Índia).

Veja a ilustração a seguir:

A formação dos continentes atuais: note-se como a Pangeia, o continente original, fragmentou-se progressivamente.
A formação dos continentes atuais: note-se como a Pangeia, o continente original, fragmentou-se progressivamente.

Da Pangeia existente no Mesozóico destacou-se a América do Sul (que antes era unida à África).

Na mesma época, a América do Norte destacou-se da Europa, permanecendo a ela ligada pelo extremo norte até o Quaternário. Em consequência da deriva, ergueram-se as grandes cordilheiras (como as Rochosas) do mesmo modo como uma onda se levanta, por compressão, à frente da quilha de um navio sempre que se movimenta. O Oceano Índico teria começado a abrir-se durante o Jurássico para completar-se no Cretáceo e no Terciário. A Índia foi se deslocando em direção ao norte, comprimindo o continente asiático, o que teria originado o enrugamento, constituindo a Cordilheira do Himalaia.

Já o bloco formado pela Austrália e Nova Guiné teria se destacado da Antártica durante o Eoceno, deslocando-se para o norte e juntando-se ao arquipélago indonésio no final do Terciário.

As primeiras evidências de que Wegener lançava mão para comprovar sua teoria eram baseadas nos contornos físicos das terras emersas do globo terrestre.

Observe que a ilustração acima demonstra a formação dos continentes e seus deslocamentos até os dias de hoje, o que comprova a Teoria de Wegener.

Foi no quaternário que o homem surgiu e mais tarde espalhou-se pelo mundo. Há duas teorias principais sobre a expansão humana:

  1. Na teoria mais aceita até hoje, o Homo erectus evoluiu na África cerca de 1,5 milhão de anos atrás e dali migrou para o Oriente Médio, Ásia e Europa.
  2. Novas descobertas sugerem que um elo mais antigo, o Homo habilis, saiu da África para a Ásia 2 milhões de anos atrás. Al, evoluiu para Homos erectus e retornou à África.

Eras geológicas

A formação e distribuição atual dos continentes no globo terrestre são resultados de uma longa história, que vamos rever através das eras geológicas que, segundo Antônio T. Guerra, correspondem às grandes divisões do tempo geológico. Elas são divididas em eras, períodos de duração variados, os quais se subdividem em épocas, e estas em idades e fases.

Para entender melhor a evolução da Terra, leia todas as informações a seguir, da era mais antiga para a mais recente.

Era Arqueozoica

Representação da Era Arqueozoica.
Representação da Era Arqueozoica.

Durou cerca de 650 milhões de anos. Nessa era ocorreram chuvas intensas que formaram os oceanos. Apareceram altas montanhas e muitos vulcões. Nessa era começou a surgir vida nos oceanos (seres unicelulares).

Principais características:

  • No começo desta era, o planeta Terra era até 3 vezes mais quente do que hoje;
  • Começam a aparecer as primeiras células (organismos unicelulares);
  • A Terra é constantemente atingida por meteoros;
  • Milhares de vulcões estavam em atividade.

Era Proterozoica

Representação da Era Proterozoica.
Representação da Era Proterozoica.

Durou 650 milhões de anos. Formação das primeiras rochas sedimentares e maior desenvolvimento da vida.

Principais características:

  • Por volta de 2 bilhões de anos atrás começa a se formar a camada de ozônio, gerando uma camada protetora contra os raios solares. Este fato favoreceu o surgimento de formas de vida mais complexas (organismos multicelulares);
  • Formação dos continentes;
  • Ocorre o acúmulo de oxigênio na litosfera.

Era Paleozoica

Representação da Era Paleozoica.
Representação da Era Paleozoica.

Durou 400 milhões de anos. Ocorreu um grande desenvolvimento dos peixes, moluscos e anfíbios. No fim dessa era houve o desenvolvimento da vegetação, formando grande florestas. Devido ao soterramento de florestas, aparecem reservas de carvão na América do Norte e América do Sul.

Principais características:

  • Começam a surgir nos mares os primeiros animais vertebrados, são peixes bem primitivos;
  • Por volta de 350 milhões de anos atrás, os peixes começam, durante um longo processo, a sair da água. Começou, desta forma, surgirem os primeiros animais anfíbios;
  • Os trilobitas foram os animais típicos desta era;
  • Nesta era os continentes estavam juntos, formando a Pangeia;
  • O planeta começa a ser tomado por muitas espécies de plantas primitivas;
  • No final desta fase começam a surgir diversas espécies de répteis que deram origem aos dinossauros;
  • Milhares de espécies de insetos surgem nesta era.

Era Mesozoica

Representação da Era Mesozoica.
Representação da Era Mesozoica.

Intensifica-se o fenômeno da deriva dos continentes. A crosta terrestre “racha” em vários lugares, provocando intensa atividade vulcânica. Durou cerca de 140 milhões de anos. Aparecem os primeiros mamíferos, aves e répteis gigantescos, como os dinossauros e muitos outros.

Principais características:

  • Nesta era as plantas começam a desenvolver flores;
  • Os dinossauros dominam o planeta;
  • Por volta de 200 milhões de anos atrás surgem os animais mamíferos.

Era Cenozoica

Representação da Era Cenozoica.
Representação da Era Cenozoica.

Formação das grandes cadeias montanhosas (Antes, Alpes, Himalaia, Rochosas e Cadeia dos Atlas). Desaparecimento dos grandes répteis e desenvolvimento dos mamíferos. Ocorrência de grandes glaciações e formação dos atuais contornos dos oceanos e continentes. Aparecimento do homem.

Principais características:

  • Formação de cadeias montanhosas;
  • No começo desta era, há 65 milhões de anos, ocorre a extinção dos dinossauros;
  • Grande desenvolvimento das espécies de animais mamíferos, que se tornam maiores, mais complexos e diversificados;
  • Após o término da deriva continental (migração dos continentes), o planeta assume o formato atual;
  • Por volta de 3,9 milhões de anos atrás surge, no continente africano, o Australopithecus (espécie de hominídeo já extinta);
  • Surgimento do homo sapiens por volta de 130 mil a 200 mil anos atrás.

Movimentos da Terra

O nosso planeta é o terceiro em ordem de distância do Sol. Essa localização permitiu à Terra uma temperatura adequada para o desenvolvimento e manutenção da vida.

A Terra possui 510 milhões de km², um raio terrestre que mede cerca de 6.370 km e o perímetro terrestre que mede 40.000 km. Além disso, possui vários movimentos importantes, como os de rotação e translação.

Rotação

Rotação é o movimento que a Terra realiza em torno do seu eixo imaginário, no sentido oeste para leste, o que resulta no dia e na noite. Uma volta completa tem duração de 24 horas.

Translação

Translação é o movimento que a Terra realiza em torno do Sol, com duração de 365 dias, 5 horas e 48 minutos, o que resulta nas estações do ano.

O movimento de translação da Terra.
O movimento de translação da Terra.

Como o calendário usado é de 365 dias, faltam 6 horas a cada ano que, somadas, resultam em um dia a mais a cada 4 anos no mês de fevereiro – chamamos isso de ano bissexto.

As estações do ano são: Primavera, Verão, Outono e Inverno.

Quando estamos no verão ou no inverno, a posição da Terra está no solstício e, quando estamos na primavera ou outono, a posição da Terra está no equinócio.

Zonas térmicas

A Terra, em razão de sua forma esférica, não recebe luz por igual; essa diferença de iluminação chamamos de zonas térmicas, ou seja, há regiões de maior incidência de Sol, portanto são mais quentes, e existem zonas de menor incidência de Sol, portanto são mais frias.

As Zonas Térmicas são:

  • Zona polar ou glacial norte;
  • Zona temperada norte;
  • Zona intertropical ou tórrida;
  • Zona temperada sul;
  • Zona polar ou glacial sul.

Hemisférios

A palavra hemisfério é utilizada para designar cada uma das metades da esfera terrestre. A linha do Equador divide a Terra em dois hemisférios, que recebem os nomes de Hemisfério Norte ou Setentrional e Hemisfério Sul ou Meridional.

Perpendicular ao Equador e unindo os pólos, portanto no sentido norte-sul, encontramos as linhas imaginárias denominadas meridianos. Como todos os meridianos são iguais, convencionou-se adotar o Meridiano de Greenwich como referência para dividir a Terra em dois Hemisférios que são: Leste ou Oriental e Oeste ou Ocidental.

Divisão dos hemisférios.
Divisão dos hemisférios.
COMPARTILHE

Faça seu comentário